Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gato Pardo

Para quem não conhecia, saiam enquanto é tempo...Para quem já conheceu, puxem duma cadeira...Vem aí a versão 2.0...

Porque de vez em quando, é preciso parar para pensar...

Não posso deixar de manifestar a minha apreensão pelo facto de nos últimos dias, o número de casos de idosos encontrados nas suas residências já sem vida ter disparado. Quase me arrisco a dizer que isto até é uma surpresa para muitas pessoas.

Não devia ser.

Os nossos idosos são considerados cidadãos obsoletos sem qualquer utilidade para o país. Abandonados pelas próprias famílias, olhados como fardos, carcaças inúteis...

É isso no que realmente nos tornamos à medida que vamos envelhecendo?

Um peso na vida daqueles que mais amamos?

Recuso-me a acreditar nisso. Simplesmente recuso-me. Com o passar dos anos, vejo aqueles mais amo a definhar lentamente mas o amor e o carinho é eterno. O abandono não é opção. Não quando se ama verdadeiramente as pessoas.

E quando chegar a nossa vez, como será?

Será que tudo que nos vai restar serão as vagas memórias daqueles que continuamos a amar, embora já não haja tempo para um telefonema, uma visita, um sorriso?

É triste pensar que um dia tudo se resume a duas grandes mãos cheias de nada...

Nas bombas, tá-se bem? Ya, man...Muito bem...

Já malhei aqui em quase tudo e quase todos...Não é defeito, é forma de estar. É o meu sentido crítico, faz parte do pacote.

Hoje fui meter gasóleo no carro. Não porque ao 3ª domingo de cada mês a Galp faça umas promoções laricas ou porque se engate gajas jeitosas nos postos de abastecimento mas porque...wait for it...wait for it...Sim, é verdade...O tanque estava na reserva!

O horror...O escândalo...A luzinha do depósito acesa...A irritação que aquilo me causa...Enfim...

Não fui à Galp...Não fui à BP...Não fui à Repsol...Fui ao Jumbo (ainda pensei ir a uma qualquer clínica de implantes mamários franceses, que agora parece que está na moda meter implantes com aditivos para turbinas de aviões comerciais)...

Um gajo abastecer no Jumbo coloca algumas questões...

 

- Abastecer numa gasolineira que tem como símbolo um animal orelhudo de 20 toneladas e com duas presas de marfim similares em tamanho aos dildos que o Castelo Branco usa nas suas orgias tira qualquer vontade criminal que possa existir de sair de lá sem pagar...

- Um gajo pega na pistola (salvo seja...Calma lá com essa imaginação) com cuidados redobrados...Sabe-se lá se aquilo é a tromba ou...pois, isso...O que explica porque cada vez mais são aqueles que vão buscar os papéis absorventes...

 

O melhor de tudo é que a fila costuma ser tão grande que mesmo sem querer, um tipo olha para o lado e apercebe-se dos diversos tipos de condutores que lá vão...Uma verdadeira salada russa (ou neste caso, africana que não me recordo de ver elefantes a passear pela Praça Vermelha...).

Eis alguns exemplos...

 

O palerma obcecado

 

O gajo que enquanto espera a vez, limpa o tablier 20 vezes, limpa os vidros 7 vezes, ajeita os espelhos 300 vezes e não nota que tem metade dos gajos a babarem-se pela namorada mamalhuda que tem ao lado.

 

O palerma armado em campeão

 

O gajo que ao entrar na bomba faz roncar o motor mais alto que o estômago do Fernando Mendes logo pela fresquinha e ao sair faz ainda mais barulho, o que leva a crer o resto do pessoal que o meia leca tem a mania que é piloto de fórmula 1...

 

O palerma que é menino do papá

 

Simplesmente porque quem veste camisolas dos Gormiti, não tem nem poderio económico nem poderio intelectual para um Lexus...

 

O palerma que é um tarado dos estofos

 

O gajo que passa mais tempo a limpar os estofos embora toda a gente saiba que aqueles estofos nunca terão uma história minimamente interessante para contar a não ser do traseiro do condutor...

 

O palerma que é um atraso de vida

 

Porque é velho, já passou da validade e ainda ninguém lhe disse, conduz com o nariz dentro do volante e é um perigo ele simplesmente respirar, quanto mais com as chaves de um carro na mão.

 

O palerma que é simplesmente prepotente

 

Porque embora haja 30 carros na fila para abastecer, acha-se tão primo do Alonso que prefere enfiar o carro numa valeta do lado direito, passar uns quantos como se fosse meter ar nos pneus para depois furar a fila...até ao dia que apanha um caçador frustrado depois de um dia de seca aos tiros e ainda leva nas fuças...

 

O palerma que é simplesmente mal educado

 

F*da-se, c*ralho...Mas esta m*rda não anda, filhos da p*ta...Sim, toda a gente sabe que insultar o gajo da frente nas bombas costuma acelerar o processo, não é?

 

 

Somos um povo baril... :)

Quem quer que seja, leva a expressão "grande como a porra" à letra...

Se existe algo a que dou valor, é a pessoas que investem naquilo que se chama moralmente discutível...

Existem vários exemplos...Sex shops, motéis, chavalas com demasiado tempo nas mãos que decidem fundar clubes de virgens e passado algum tempo ninguém diria sequer que algum dia foram virgens de signo...Enfim...

Hoje deparei-me com um motel digno de Ramsés...Não porque aquilo tenha ar de antro de perdição faraónico mas simplesmente...PORQUE É GRANDE COMO A PORRA!!!

Ok, deixem-me contextualizar...

Estão a ver o terminal 2 do aeroporto de Lisboa? Esqueçam...Aquilo parece ser maior que o terminal 1 e ainda é capaz de ir buscar um bocadito de área de embarque do Charles de Gaulle...

Se aquilo for investimento português, parabéns...Se há algo imune à crise, é o negócio da queca...A procura não decresce, logo há que criar a oferta...E que oferta...Com um espaço daqueles, é bem provável que sejamos capazes de figurar em breve no Guiness como detentores da maior gangbang num espaço de armazenamento capaz de fazer inveja ao vácuo cerebral que foi esta edição da Casa dos Segredos...

Uma caixinha catita que permite pesquisar as entranhas dos últimos anos de posts. Muito útil, principalmente porque nem eu já me lembro de metade do que escrevi...

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Janeiro 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Licença

Licença Creative Commons
Este obra para além de estar razoavelmente bem escrita (se assim não fosse, não havia tanta gente a plagiá-la), está também licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D